Make your own free website on Tripod.com

BLAISE PASCAL

Home
OMAR KHAYYAM
LEONARDO DA VINCI
ERASMO DE ROTERDÃO
MONTAIGNE
Pe. ANTÓNIO VIEIRA
BLAISE PASCAL
DIDEROT
WILLIAM BLAKE
CHATEAUBRIAND
NOVALIS
NIETZSCHE
RILKE
TEIXEIRA DE PASCOAES
BACHELARD
AGOSTINHO DA SILVA
ALQUIMIA (temas)
UPANISHADES (obras eternas)
Outras Páginas com Citações

pascal.jpg
(1623-1664)

Pascal na WIKIPÉDIA

 

“Não sei quem me pôs no mundo, nem mesmo o que sou. Estou numa ignorância terrível de todas as coisas. Não sei o que é o meu corpo, os meus sentidos, nem o que é a minha alma, e até esta parte de mim que pensa o que agora digo, reflectindo sobre tudo e sobre si mesma, não se conhece melhor do que o resto. Vejo-me encerrado nestes imensos e intimidantes espaços do universo e sinto-me ligado a um recanto da vasta extensão, sem saber porque fui colocado aqui e não em outra parte qualquer, nem porque o pouco tempo que me é dado para viver me foi conferido neste período de preferência a outro período de toda a eternidade que me precedeu e de toda a que me segue”.

(“Pensamentos”, I)

 

 

 

“Só vejo o infinito em toda a parte, encerrando-me como um átomo e como uma sombra que dura apenas um instante e não volta”

(“Pensamentos”, I)

 

 

 

“ (…) Só há duas espécies de pessoas que podem ser reconhecidas como razoáveis: as que servem Deus de todo o coração porque O conhecem, ou os que o procuram de todo o coração porque não O conhecem”.

(“Pensamentos”, I)

 

 

 

“A virtude última da razão é reconhecer que há uma infinidade de coisas que a ultrapassam. Revelar-se-á fraca se não chegar a conhecer isso. É preciso saber duvidar onde é preciso, afirmar onde é preciso, e submeter-se onde é preciso. Quem não procede assim não entende a força da razão. Há os que pecam contra esses três princípios, ou afirmando tudo como demonstrativo, não precisando ser conhecido por demonstrações; ou duvidando de tudo, não precisando saber onde é necessário submeter-se; ou ainda submetendo-se a tudo, não precisando saber onde é necessário julgar”.

(“Pensamentos”, V, 1)

 

 

 

“Não há nada tão conforme à razão como a retratação da razão nas coisas que são de fé; e nada tão contrário à razão como a retratação da razão nas coisas que não é de fé. Dois excessos: excluir a razão, e nada mais admitir do que a razão”.

(“Pensamentos”, V, 1)

 

 

 

 “O coração tem suas razões, que a razão não conhece: sabe-se isso em mil coisas. Eu digo que o coração ama o Ser universal naturalmente, e a si mesmo naturalmente, conforme a isso se aplique; e se endurece contra um ou outro, à sua escolha. Rejeitastes um e conservastes o outro: é com razão que amais? É o coração que sente Deus, e não a razão. Eis o que é a fé: Deus sensível ao coração, não à razão”.

(“Pensamentos”, XVI, 3)

 

 

 

“É uma coisa horrível sentir continuamente escoar-se tudo o que se possui e a que a gente se possa ligar; sem ter vontade de procurar se não há alguma coisa de permanente no qual possamos confiar”.

 (“Pensamentos”, XVI, 17)

 

 

 

“Nunca se pratica o mal tão plena e tão alegremente como quando praticado por um falso princípio de consciência”

(“Pensamentos”, XVI, 43)

 

 

 

“Os homens tomam, muitas vezes, a sua imaginação por seu coração; e julgam estar convertidos desde que pensam converter-se”.

(“Pensamentos”, XVI, 51)

 

 

 

“A razão age com lentidão e com tantas vistas e sobre tantos princípios, os quais é preciso que sejam sempre presentes, que a toda hora adormece e se afasta por não ter todos esses princípios presentes. O sentimento não age assim: age num instante e está sempre pronto a agir. É preciso, pois, pôr a nossa fé nos sentimentos do coração; de outro modo, ela será sempre vacilante”.

(“Pensamentos”, XVI, 51)

 

 

 

“O menor movimento importa a toda a natureza: o mar inteiro se modifica com uma pedra (…) ”.

(“Pensamentos”, XVI, 76)

 

 

 

“O acaso dá os pensamentos, o acaso os tira; nenhuma arte para os conservar ou para os adquirir”.

(“Pensamentos”, XVI, 89)

 

 

 

“Pois, enfim, o que é o homem na natureza? Um nada em relação ao infinito, tudo em relação ao nada: um meio entre nada e tudo. O fim das coisas e o seu princípio estão para ele ocultos num segredo impenetrável; igualmente incapaz de ver o nada de onde foi tirado e o infinito que o absorve. A nossa inteligência ocupa, na ordem das coisas inteligíveis, a mesma ordem que o nosso corpo na extensão da natureza”.

(“Pensamentos”, XVII, 1)

 

 

 

 “A grandeza do homem é grande na medida em que ele se reconhece miserável. Uma árvore não se conhece miserável. É, pois, ser miserável conhecer-se miserável; mas, é ser grande conhecer que se é miserável. Todas essas misérias provam a sua grandeza. São misérias de grande senhor, misérias de um rei destronado”

(“Pensamentos”, XVIII, 7)

 

 

 

“O homem não passa de um junco, o mais fraco da natureza, mas é um junco pensante. Não é preciso que o universo inteiro se arme para esmagá-lo. Um vapor, uma gota de água, é o bastante para matá-lo. Mas, conquanto o universo o esmagasse, o homem seria ainda mais nobre do que aquilo que o mata, porque sabe que morre; e a vantagem que o universo tem sobre ele, o universo a ignora. Toda a nossa dignidade consiste, pois, no pensamento”.

(“Pensamentos”, XVIII, 8)

 

 

 

“O homem é visivelmente feito para pensar; aí reside toda a sua dignidade e todo o seu mérito, e todo o seu dever é pensar como é preciso: ora, a ordem do pensamento é começar por si, e por seu autor e seu fim. Ora, em que é que pensa o mundo? Nisso, nunca; mas sim em dançar, em tocar alaúde, em cantar, em fazer versos, em correr o anel, etc., em construir-se, em fazer-se rei, sem pensar no que é ser rei e ser homem”.

(“Pensamentos”, XVIII, 12)

 

 

 

“Somos tão presunçosos que desejaríamos ser conhecidos de toda a terra, e até das pessoas que vierem quando nela não estivermos mais; e somos tão vãos que a estima de cinco ou seis pessoas que nos cercam nos diverte e nos basta”.

(“Pensamentos”, XIX, 4)

 

 

 

 “ (…) É sem dúvida um mal ser cheio de defeitos; mas, é ainda um mal maior ser cheio deles e não querer reconhecê-los, uma vez que isso é acrescer-lhes ainda o defeito de uma ilusão voluntária. Não queremos que os outros nos enganem; não achamos justo que queiram ser estimados por nós mais do que merecem: não é, pois, justo também que os enganemos e queiramos que nos estimem mais do que o merecemos. (…) O homem não é, pois, senão disfarce, mentira e hipocrisia, quer em si mesmo, quer em relação aos outros. Não quer que se lhe diga a verdade, evita dizê-la aos outros; e todas essas disposições, tão afastadas da justiça e da razão, têm uma raiz natural em seu coração”.

 (“Pensamentos”, XIX, 9)

 

 

 

 “A imaginação dispõe de tudo; faz a beleza, a justiça e a felicidade, que é tudo no mundo (…) “.

(“Pensamentos”, XIX, 10)

 

 

 

“Não ficamos nunca no tempo presente. Antecipamos o futuro como demasiado lento para vir, como para apressar o seu curso; recordamos o passado, para pará-lo, como demasiado pronto: tão imprudentes que erramos nos tempos que não são nossos e não pensamos só no que nos pertence; e tão vãos que sonhamos com os que já não são nada e evitamos sem reflexão o único que subsiste”.

(“Pensamentos”, XX, 7)

 

 

 

“Que cada um examine o seu pensamento, e o achará sempre ocupado com o passado e o futuro. Quase não pensamos no presente: e, quando pensamos, é só para tirar dele a luz para dispor do futuro. O presente nunca é o nosso fim. Assim, não vivemos nunca, mas esperamos viver; e, dispondo-nos sempre a ser felizes, é inevitável que não o sejamos nunca”.

(“Pensamentos”, XX, 7)

 

 

 

“ (…) Porque os sonhos são todos diferentes e se diversificam, o que se vê neles afecta bem menos que o que se vê em vigília, por causa da continuidade, que não é, contudo, tão contínua e igual que não mude também; mas, menos bruscamente, se não raramente, como quando se viaja; e então se diz: «Parece-me que sonho»; pois a vida é um sonho um pouco menos inconstante”.

(“Pensamentos”, XX, 13)

 

 

 

“As ciências têm dois extremos que se tocam: o primeiro é a pura ignorância natural em que se acham todos os homens ao nascer; a outra extremidade é aquela a que chegam as grandes almas que, tendo percorrido tudo o que os homens podem saber, acham que não sabem nada e se tornam a encontrar nessa mesma ignorância de onde partiram. Mas, é uma ignorância sábia que se conhece. Aqueles dentre os que saíram da ignorância natural e não puderam chegar à outra têm alguma tintura dessa ciência suficiente, e fazem-se de entendidos. Esses perturbam o mundo e julgam mais mal de tudo que os outros”.

(“Pensamentos”, XX, 15)

 

 

 

 “A morte é mais fácil de suportar sem pensar-se nela do que o pensamento da morte sem perigo”.

(“Pensamentos”, XXI, 3)

 

 

 

“Condição do homem: inconstância, desgosto, inquietude”.

(“Pensamentos”, XXI, 6)

 

 

 

“Nada é tão insuportável ao homem como estar em pleno repouso, sem paixão, sem ocupação, sem diversão, sem aplicação. Ele sente, então, o seu nada, o seu abandono, a sua insuficiência, a sua dependência, a sua impotência, o seu vazio. Sem moderação, sairá do fundo da sua alma o aborrecimento, a melancolia, a tristeza, a aflição, a raiva e o desespero”.

(“Pensamentos”, XXI, 9)

 

 

 

“Conhecemos a verdade, não somente pela razão, mas ainda pelo coração; é desta última maneira que conhecemos os primeiros princípios, e é em vão que o raciocínio, que deles não participa, tenta combatê-los. Princípios se sentem, as proposições se concluem; e tudo com foros de certeza, embora por diferentes vias. E é tão ridículo que a razão peça ao coração provas dos seus primeiros princípios, para querer consentir neles; quanto seria ridículo que o coração pedisse à razão um sentimento de todas as proposições que ela demonstra, para querer recebê-los”.

(“Pensamentos”, XXII, 1)

 

 

 

“Como se explica que um coxo não nos irrite, e que um espírito coxo nos irrite? É que um coxo reconhece que andamos direito, e um espírito coxo diz que somos nós que coxeamos; sem isso, teríamos piedade dele, e não raiva”.

(“Pensamentos”, XXIII, 11)

 

 

 

“A justiça é o que está estabelecido; e, assim sendo, todas as nossas leis estabelecidas serão necessariamente tidas como justas sem ser examinadas, uma vez que estão estabelecidas”.

(“Pensamentos”, XXIV, 11)

 

 

 

“Os grandes e os pequenos têm os mesmos acidentes, os mesmos aborrecimentos e as mesmas paixões; mas um está no alto da roda, e o outro perto do centro e assim menos agitado pelos mesmos movimentos”

(“Pensamentos”, XXIV, 15)

 

 

 

“As coisas têm diversas qualidades, e a alma diversas inclinações; pois não é simples nada do que se oferece à alma, e a alma nunca se oferece simples a nenhum sujeito. Eis porque, às vezes, choramos e rimos de uma mesma coisa”

(“Pensamentos”, XXIV, 21)

 

 

 

“Tenho como um facto que, se todos os homens soubessem o que dizem uns dos outros, não haveria quatro amigos no mundo. É o que evidenciam os desentendimentos causados pelas informações indiscretas que às vezes se dão a respeito”.

(“Pensamentos”, XXIV, 40)

 

 

 

“A medida que se tem mais espírito, acha-se que há mais homens originais. As pessoas comuns não acham diferença entre os homens”.

(“Pensamentos”, XXIV, 45)

 

 

 

“O espírito crê naturalmente, e a vontade ama naturalmente; de sorte que, à falta de verdadeiros objectos, eles precisam de se ligar aos falsos”.

(“Pensamentos”, XXIV, 49)

 

 

 

“Nossa natureza está em movimento; o repouso completo é a morte”.

(“Pensamentos”, XXIV, 67)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

 

Os "Pensamentos" em versão portuguesa:

 

Editado no site "O Dialético" de Thiago Maia:

http://www.odialetico.hpg.ig.com.br/filo1.htm

 

ou

Para download no site "Ateus.net":

http://ateus.net/ebooks/index.php

 

 

 

Uma biografia de Blaise Pascal:

http://www.hottopos.com.br/vidlib2/blaise_pascal.htm

 

 

Pascal no site do ABU (Bibliothèque

Universelle) :

 

Os “Pensamentos”:

http://abu.cnam.fr/cgi-bin/go?penseesXX1

 

“Pequenos Escritos Filosóficos e Religiosos”:

http://abu.cnam.fr/cgi-bin/go?pascalpetits1

 

As “Cartas”:

http://abu.cnam.fr/cgi-bin/go?pascaldiv1

 

A “Máquina de Operações Aritméticas”:

http://abu.cnam.fr/cgi-bin/go?machine3